top of page

Está com um problema ?Que tal falar com uma de nossas sócias agora?

Buscar

Aspectos Legais da Reprodução Assistida




Grande parte das pessoas sonham em ter filhos, porém algumas vezes esse sonho só pode vir a ser concretizado com a ajuda da medicina, através das técnicas de reprodução assistida.


Porém antes de seguir com o sonho é importante você estar ciente acerca de alguns pontos que a lei determina durante o procedimento.


O primeiro deles é o que o assunto é regulado pelo Conselho Federal de Medicina, a resolução mais recente sobre o tema é de nº 2.294/2021, publicada em junho deste ano, que alterou a resolução anterior de nº 2.168/2017


Nos tópicos abaixo, estão separados os pontos mais relevantes do tema para você.


1- Idade

A idade máxima para aplicação das técnicas de reprodução assistida é 50 anos. As exceções serão analisadas nos termos da resolução.


2- Alteração genética

Não é possível utilizar as técnicas de reprodução assistida para alteração do sexo ou para alteração de qualquer característica biológica do embrião.


3- Número de embriões para fecundação.


· Mulheres com até 37 anos: até 2 (dois) embriões

· Mulheres com mais de 37 anos :até 3 (três) embriões


4- Reprodução assistida homoafetiva feminina

É possível os óocitos de uma mulher serem transferidos para o útero de parceira para o desenvolvimento do embrião, assim ambas participam da fertilização e juntas vivem o sonho de serem mães.


5- A doação de gametas ou embriões não pode ter caráter comercial.


Ou seja, você não pode comprar ou vender gametas ou embriões, isso na verdade constituí crime, pois o nossa legislação não permite o comércio do corpo humano.


6- Doação de gametas e embriões

· Você não pode conhecer a identidade do doador, bem como ele não pode conhecer a sua, clínica é obrigada a manter sigilo.

· É possível a doação de gametas ou embriões para parentes até 4º grau (pais, filho, avós, irmãos, tios, sobrinhos e primos até 4 grau)

· A idade para doação de gametas é de 37 anos. Há exceções previstas na resolução.



7- Destino dos embriões

Antes do procedimento, os pacientes deverão informar qual será o destino dos embriões em caso de divórcio, dissolução da união ou falecimento, de ambos ou dos dois. Poderão escolher se eles serão descartados ou doados para terceiros.


8- Reprodução assistida após o falecimento de um dos pacientes


Caso tenha havido a autorização expressa do parceiro para a fertilização do embrião após o seu falecimento, é possível a sequência do procedimento. O ideal é que a autorização seja feita por instrumento público, ou seja, que seja registrada em cartório para dar publicidade a ela e assim, você não ter problemas com o reconhecimento da paternidade.



9- Descarte de embriões

Nesse ponto houve uma importante alteração em relação à resolução anterior, pois antes era permitido o descarte dos embriões, após três anos, porém com a nova resolução o descarte dos embriões com mais de três anos, só poderá ser feita através de autorização judicial.


Recentemente enviamos um ofício para o conselho regional de medicina pedindo esclarecimentos, visto que uma cliente do nosso escritório foi impedida pela clínica onde realizou o procedimento de fertilização de realizar o descarte dos embriões, porém o contrato dela foi anterior à resolução atual.


Entendemos que para os contratos celebrados sob a resolução de 2017, caso o paciente após três anos manifeste sua vontade em realizar o descarte dos embriões não utilizados no procedimento de reprodução assistida, não deveria ser necessário a autorização judicial, visto que a norma anterior não fazia essa exigência.


Na nossa opinião, a aplicação de uma lei nova à um contrato realizado antes da sua vigência, além de afetar o direito adquirido do paciente, também causa insegurança jurídica, visto que a qualquer momento pode vir uma nova lei alterando novamente o mesmo dispositivo, afetando novamente as partes, que estarão vulneráveis às mudanças de posicionamento do Conselho Federal de Medicina.


O nosso ofício não teve resposta ainda, por isso entramos com um pedido de autorização judicial para que a nossa cliente possa realizar o descarte dos embriões, porém ainda não houve decisão do judiciário.



10- Cessão Temporária de útero


Casais homoafetivos masculinos podem utilizar o útero de terceiro para a fertilização, desde que a pessoa seja parente até 4ª grau de um dos parceiros e ela já tenha tido um filho.


Comentários


bottom of page